Azul é a cor mais quente

Semana passada em uma das minhas visitas ao shopping passei pela livraria e vi um livro que me chamou a atenção. “Azul é a Cor mais Quente”.

azul-e-a-cor-mais-quente-hq-cabidecoloridoJPG

Com o título original Le bleu est une couleur chaude, Julile Maroh, autora dessa história em quadrinhos publicou o livro polêmico em 2010. Maroh é natural de Lens, na França, e formada em artes visuais. Azul é a Cor Mais Quente começou a ser desenvolvida por ela em 2004, quando tinha 19 anos. A quadrinhista é lésbica, mas a história não é baseada em sua vida pessoal.

Pera aí, vocês não devem ter noção do que se passa pela história do livro né? Pois bem, deixa eu explicar. O livro conta a história de Clementine, uma jovem de 15 anos que descobre o amor ao conhecer Emma, uma garota de cabelos azuis e um pouco mais velha que ela.

historia-quadrinhos-azul-e-a-cor-mais-quente

Durante a história acontecem muitas situações tensas, engraçadas e polêmicas, com direito até a ilustrações bastante picantes entre as duas personagens. O livro retrata a vida de Clementine como a de várias meninas que sofrem com o preconceito e até mesmo com a indecisão delas mesmas, questionando-se se gostar de outra menina é certo ou não.

O HQ é todo em preto e branco com exceção do cabelo azul de Emma que colore as páginas e nos deixa mais envolvidas com a história. É para rir, chorar e se deliciar com a história linda de um amor entre as duas garotas. Eu super recomendo e confesso, chorei mesmo no fim do livro.

Como comentei no começo do post, a história em quadrinhos é de 2010, mas serviu de inspiração para o diretor Abdelattif Kechiche que lançou em Dezembro de 2013 o filme La vie d’Adéle que em outros idiomas recebeu o título do HQ, Azul é a Cor mais Quente, por se tratar de uma história muito parecida, quase idêntica, à história em quadrinhos.

No longa, Adéle (personagem de Clementine do HQ) se apaixona por Emma aos 17 anos e vive muitas situações diferentes ao decorrer do filme. Com 175 minutos, o filme rendeu a seu diretor e às atrizes, Adèle Exarchopoulos e Léa Seydoux, a Palma de Ouro no último Festival de Cannes e uma polêmica gigante sobre a maior cena de sexo lésbico da história do cinema, com aproximadamente sete minutos.

As duas histórias são ao mesmo tempo parecidas e diferentes. A paixão pelas duas é igual tanto no HQ como no filme, mas o desenrolar da história e o fim são completamente diferentes. Ainda não consigo escolher o melhor fim, se é o do HQ ou do filme, deixo vocês me ajudarem!

Aqui está o trailer:

Paguei R$ 34,90 no HQ, valeu super a pena.
Me contem depois o que acharam!

Beijos,

Descricao-fim-post3

Comments

comments