EU FUI PARA CHERNOBYL !

Quem me conhece sabe muito bem que eu tenho um vício louco por lugares abandonados e esquecidos (e comentei sobre isso nesse post aqui). Aqueles lugares que a muito tempo não são habitados e que a natureza começou a tomar conta. Eu vejo arte no que fica depois da destruição.

Chernobyl é uma cidade na Ucrânia, que há 30 anos atrás sofreu o maior acidente nuclear da história. Um acidente que mesmo hoje, tanto tempo depois, ainda deixam consequências para o lugar e para o país. Uma cidade completamente abandonada, deixada para trás. No dia 27 de abril de 1986, todas as pessoas que moravam na cidade tiveram que ser evacuadas com urgência, sem olhar para trás, sem poder fazer as malas. Sem saber se encontrariam de novo seus familiares. Sem saber que estavam respirando o inimigo a cada segundo.

Eu comprei um tour de 1 dia até lá. Fomos de ônibus e a viagem demorou uma hora e meia. Quando estávamos chegando perto, uma das primeiras coisas que eu vi foi uma placa que indicava radioatividade, me deu um frio na barriga, eu realmente estava indo visitar um lugar onde aconteceu um desastre nuclear. A polícia checa nossos passaportes antes de oficialmente entrar em Chernobyl.

Dentro do ônibus o documentário mostra a cidade como era antes do acidente, as pessoas sorrindo e as crianças brincando. A cidade funcionando, viva. Através das janelas as árvores começam a tomar lugar por entre as construções que o tempo e a radiação corroeu. Ganhamos um aparelho que apitava sempre que os níveis de radiação ficavam altos, e eu fiquei checando o meu toda a hora. Na cidade de Kiev o normal era 0.10 e dentro de Chernobyl em alguns pontos tivemos 5.0, o que é bastante até. Mas não o suficiente para ser prejudicial a nossa saúde.

O primeiro ponto  que paramos foi a creche. Ainda com as camas e alguns objetos como bonecas, sapatos e livros. Tudo cheio de poeira e se deteriorando. Lindo. Depois paramos em frente ao Reator 4, que foi o que eu explodiu. Agora com o novo sarcófago já instalado. Não era permitido ficar muito tempo em cada ponto, era o tempo de tirar algumas fotos e pronto. Passamos também por onde era o mercado da cidade, ainda com prateleiras e carrinhos de compras. E mesmo que tudo em Ucraniano, eu consegui entender que nas placas provavelmente dizia o que continha cada corredor.

O centro de esporte com a piscina vazia é fascinante, ainda mais porque no vídeo que vimos no ônibus, tinham imagens dessa mesma piscina sendo usada, cheia de água e pessoas nadando.  Paramos para fotos em uma igreja que foi reconstruída, letreiro de Chernobyl e em algumas casas abandonadas. Pudemos entrar nelas e ver que nada sobrou a não ser o pó. O parque de diversões que nunca nem foi inaugurado deixa um sentimento de tristeza no ar. Porque parques são feitos para as pessoas se divertirem, mas aquele parque nunca viu ninguém feliz.

A escola também foi incrível, embora eu saiba que os cenários são montados pelas pessoas do tour e por pessoas que já visitaram, ainda assim meu queixo caiu. Todos os livros e mesinhas, coisas escritas à mão por alguém. Será que esse alguém esta vivo? Será que esta bem? Fiquei me perguntando essas coisas o tempo todo. Várias máscaras de gás pelo chão. Muita gente não sabe mas essas máscaras não foram usadas por causa do acidente, elas foram usadas na guerra e eles tinham elas na escola para ensinar os alunos como usar, em caso de guerra.

Nós andamos muito nesse dia. Meus pés estão doendo até agora. Almoçamos em Chernobyl mas com comida que foi trazida de fora. Salada, sopa, batata assada e carne. Barriga cheia e mãos lavadas, fomos para o “pica pau russo” que é uma torre gigante que era usada como radar que detectava mísseis com antecipação.

“Não encostem em nada, tudo está contaminado foi a frase que eu mais ouvi naquele dia. Eu estou me sentindo contaminada ainda hoje, de tantas coisas que eu encostei sem querer. Fui picada por insetos, arranhada por plantas, pisei em lama radioativa, caiu pingo de água da construção antiga na minha testa e uma barata fez um tour na minha perna. Mas no fim do dia tivemos que fazer um teste para saber se estávamos contaminados e todo mundo passou.

Foi uma das experiências mais loucas da minha vida e eu ainda quero voltar para fazer o tour de 3 dias, que é bem melhor, com certeza.

Quem vai querer ir também? ☢️

Confira mais fotos no meu IG @jeniferbtt 
Beijos!

Comments

comments