Stop the beauty madness

Fiquei pensando qual seria a pauta para meu primeiro post no Cabide Colorido, o primeiro blog que participo pela segunda vez como colaboradora. Me veio logo o click do novo layout e como ele é a representação do amadurecimento da Mi e do próprio blog. A medida que os anos passam e vamos adquirindo experiência, naturalmente descobrimos gostos novos e estilos que combinam melhor com nossos tanto outros estilos, afinal, desconheço uma só mulher que tenha apenas uma faceta.

stop-the-beauty-madness-cabide-colorido

Continuei pensando nisso, no meu tema por aqui (moda, make, tendência), na ditadura de padrões estéticos, numa mídia que te impõe um consumo desenfreado e gritei mentalmente: Ignorem as tendências! Essa frase se transformou na primeira regra do meu manual invisível pessoal de “Como ter o seu próprio estilo”. Claro que é importante sabermos o que ferve nas marcas mais efervescentes do globo, mas isso não quer dizer que precisamos sair na rua parecendo um clone, ou gastando rios de dinheiro que não temos para parecer com alguém que não somos. É exatamente assim que tenho me sentido ultimamente, como um ET em meio a tanta gente que só sabe ser mais do mesmo.

É preciso saber filtrar as novidades e ver o que realmente faz parte do seu estilo e o que não passa de empolgação de primeiro momento. Um exemplo recente são as birkens, que tem pipocado em tudo quanto é look do dia sendo que não combina com o estilo de 90% das meninas que postaram. Quando por fim, finalmente, vi uma foto salvadora e aleatória  no instagram de uma garota, comentei: “Nossa, que sensacional essa birken, tudo a ver contigo”!

E não é isso que queremos ouvir? Que tem alguma roupa, sapato, moda, tendência -whatever- que tem TUDO a ver com a gente? Porque a lógica é essa, o que tem de novo é que tem que acrescentar no todo, e não o todo querer ser “todo novo” sempre. Não existe nada que me deixa mais feliz do que quando uma amiga me manda uma foto de inspiração para looks do dia no whats e fala: “Nina, olha só essa produção, é a sua cara! Super diferente né? Ah, me ensina a usar essa peça qualquer dia desses?”. Me sinto com o ego nas alturas em saber que a coisa tem a minha cara e não que eu tenho a cara da coisa. A diferença é sutil, mas vocês conseguem captar?

Pra terminar, um exercício mental: Desapegue de todas as nóias com sua aparência, seu corpo ou de toda e qualquer ditadura que diga que você TEM que ter, TEM que usar ou quaisquer outras variações do mesmo verbo. Coco Chanel não se transformou no ícone que é atoa, e uma de suas frases mais famosas é “a moda é passageira, mas o estilo permanece“. Que sirva de reflexão pra moda nos auxiliar a expressar o melhor de nós mesmos e, acredite, o seu melhor já está dentro de você!

Comments

comments

3 Comentários

  1. Jennifer Monique
    8 set 2014 / 14:28

    shooooow, amei o post, e concordo plenamente com ela.
    Moda é uma coisa complicada mesmo :/

    Bjooo mi ♥

  2. Adriana Wolf Bastos
    9 set 2014 / 00:05

    Adorei. É bem isso mesmo. Adoro saber das novidades da moda mas dificilmente uso o que está na moda. Rsrsrsrsr
    Uso o que acho que fica bom em mim e o que me deixa à vontade. Nada melhor que se sentir bem.
    Beijos

  3. Michelle
    9 set 2014 / 23:19

    Também sou assim Adri, sempre uso o que me faz bem! =)
    ótimo que tenha gostado do post, beijão!