• Vídeo Novo

  • Estou escrevendo o meu post de hoje sentada na sala da minha casa na Holanda. Estou de pijama e sem sutiã. Por que eu achei que seria interessante falar isso? Porque não é sempre que a gente se sente assim confortável, principalmente na casa dos outros. Geralmente a gente usa 5% da casa dos hosts, os outros 95% do tempo a gente fica no nosso quarto. Que é o lugar onde é seguro tirar o sutiã e ficar de boa etc etc. Meus hosts estão viajando e eu achei que valia a pena escrever sobre como eu estou feliz com isso.

    1- O Silêncio
    Mesmo nos finais de semana, eu sempre acordo cedo (mas durmo de novo) porque tem muito barulho na casa. Se engana quem pensa que a host family vai ficar sussurrando para a au pair não acordar. Então eu estou aproveitando o silêncio. Nenhum grito e nenhum choro e nenhuma briga e nada. Só o ronronar do Hugo, o gato.

    2- A Geladeira
    Abrir a geladeira, com calma, sem pressa, sem pessoas me observando, pensando “o que será que ela vai comer?”, e comer mesmo, sem vergonha. Fazer bagunça na cozinha, depois eu limpo.

    3- A Banheira
    Essa para mim é de lei. Eu sempre tomo banho de banheira quando os Hosts não estão. Imagina que mico os hosts chegando em casa e você pelada na banheira, escutando música, bebendo uma cerveja. Por isso precisa ser em uma ocasião onde com certeza eles não vão chegar. E hoje eu tinha certeza que ninguém ia chegar.

    4- House Party
    Venham amigos e amigos dos amigos, pode chegar. Tem cama, sofá, tapete e ofereço até um cafézinho. Eu abri a minha casa para receber várias visitas, coisas que com a HF aqui, nunca aconteceria. Eu gosto de brincar de ser anfitriã!

    5- A Preguiça
    Quando os Hosts estão em casa, a gente não pode se dar ao luxo de ser preguiçosa. Tem que ajudar, se fazer útil. E agora eu estou aqui, de pijama o dia todo sendo o mais preguiçosa que eu puder.

    Ou seja, quando eles estão em casa a gente vira uns robôzinhos. Acorda cedo, ajuda, limpa, faz social, fica no quarto, come pouco… Pos isso que eu estou aproveitando mesmo essa liberdade. Trouxe um colchão para a sala, coloquei ele de frente para a tv, que está com a tela ligada no Netflix, e é isso, até eles voltarem, vai ser isso. E eu estou bem feliz.

    Um beijo e tchau! ❤️

    Aqui na Holanda o meu principal meio de transporte é a bicicleta. Nos Estados Unidos era o carro, e no Brasil também. Eu sempre gostei muito de dirigir escutando música e literalmente berrando junto. Eu adorava quando as pessoas dos carros do lado ficavam me olhando com cara de “que que essa menina tá fazendo?“. Aqui na Holanda é diferente, porque como eu escuto as musicas com o fone de ouvido, fica muito ruim se eu berrar junto com a música, porque as pessoas só vão ouvir a minha voz de gralha, e no melhor dos casos a música vai ser em português e ninguém vai entender nada, mas mesmo assim vão me chamar de louca.

    Eu contenho a minha vontade de cantar, mas não a de dançar. Eu danço com os braços, junto com a batida. E nesse caso, todos que passam por mim podem me julgar a vontade, tô nem aí. E foi com esse pensamento que eu resolvi trazer hoje as músicas que eu mais gosto de escutar na bike. Claro que tudo depende do meu humor. A música muda de acordo com a hora e o dia. Sexta a noite antes de sair de casa com as amigas, é uma. Agora no caminho até o mercado numa segunda de manhã, outra. Mas eu não consegui especificar nenhum humor, vamos então por dias:

    Segunda-feira de Manhã:

    Indo ao mercado:

    Sexta a noite a caminho de Amsterdam:

    Domingo, voltando para casa:

    Ok, as vezes a ordem muda e eu escuto a música do caminho do mercado na sexta a noite. Mas, o que importa é que essas são algumas músicas que combinam muito com o meu momento na bike.

    Eaí, curtiu alguma das músicas acima? Me conta nos comentários!

    Um beijo e tchau! 🚴

    Sabe o carnaval no Brasil né? Não sei se podemos comparar, mas, acho que o que chega mais perto disso aqui na Holanda é o Kings Day.

    É um feriado para comemorar o aniversário do rei ou da rainha! Eu soube que é uma das maiores festa da Europa! Todo mundo vai para a rua vestindo laranja, as cores da Holanda, e a cor que eu mais odeio. Mas a minha camiseta laranja está comprada já.

    É uma vibe meio St. Patricks day, só que mais animada. Todo mundo vai para a rua, e mesmo tendo várias festas em lugares e bares, as pessoas falam que na rua é mais divertido. Até a família real Holandesa vai passando pelas principais cidades da Holanda, se divertindo e comemorando. Para quem não sabe, eu moro na mesma cidade que eles.

    Em Amsterdam rola um mercado de pulgas e todas as pessoas podem vender suas coisas lá. Ao redor do mundo, todas as pessoas com alguma ligação com a Holanda também comemoram! Desde 1949, os holandeses comemoram o feriado no dia 30 de abril, aniversário da antiga Rainha Juliana. Antes de 1949 o King’s Day era comemorado em Agosto. A partir de 2014 a data mudou para 27 de abril, dia do aniversário do novo Rei, Willem Alexander. A festa se chamava Queen’s Day quando era a Rainha. A data da festa vai mudando de acordo com quem está no poder.

    Eu espero que o próximo rei ou rainha faça aniversário no verão porque festejar no frio vai ser meio ruim, mas ok haha

    Semana que vem eu volto para contar como foi!
    Beijos!

    Antes de ir para os Estados Unidos eu sempre fui uma daquelas pessoas que detestava o calor. Eu amava quando começava a esfriar, mesmo que eu passasse frio. E quando alguém me dizia ‘’credo, como você pode gostar do frio?’’, eu já tinha algumas respostas na ponta da língua. Respostas que hoje em dia eu eu com certeza não daria.

    Quero deixar claro que eu estou falando de FRIO mesmo. Não daquele ar gelado do Brasil que já faz todo mundo usar cachecol e luva. Estou falando de uma temperatura entre 1ºc e -30ºc. O frio que dói. O frio que racha seus dedos e os faz sangrar. Como alguém consegue ser feliz morando em lugares assim? Pra você sair de casa, mesmo que seja até o mercado,  você fica 10 minutos só se encasacando. Várias camadas de roupas: meia, meia calça térmica, calça normal (isso quando ela entra porque as vezes as calças coladas não passam da coxa por causa da meia calça), blusa de manga comprida térmica, suéter normal, casaco de neve, luva, touca, cachecol. Eu não aguento mais!

    Não da para ser estilosa no frio. Sempre que entra em algum lugar começa a passar calor. E vai tirando camada de roupa, e vai segurando tudo no braço. E para provar roupas nas lojas? Tirar aquilo tudo e depois se vestir de novo? Não, obrigada. Eu compro sem provar e se não servir eu volto até na loja e troco.

    Vida no frio não é fácil, agora imagine a vida de uma turista no frio. Que anda e anda, e precisa tirar a luva para poder apertar os botões do celular e da câmera para as fotos, e enquanto isso a mão congela e quase cai. Fica vermelha e dormente. Eu já cheguei e não minha mão VÁRIAS vezes. Tentar fazer movimentos na esperança de ela voltar ao normal e simplesmente ela não obedecer aos comandos. Dá medo! A boca fica roxa e a gente não consegue nem falar de tanto que treme. Entrar em alguma loja e ficar olhando as coisas só para se proteger.

    Andar de bicicleta no frio então, não sei se consigo falar sobre isso. O vento bate na sua cara e ela congela. Você encosta com o dedo para ver se ainda existe algum rosto ali, porque se tem você nem sabe mais. Os casacos de neve são caros, ainda mais para as Au Pairs, tadinhas de nós. Usamos o mesmo toda a vez! A amiga esquece a luva em casa e aí agente empresta uma da nossa e fica revezando de mão em mão, quando uma mão morre a gente troca e põe a luva.

    Sem contar quando neva. “Ahhh que lindo!” Você quer brincar na neve? (leu cantando?) Isso só significa que provavelmente as crianças não vão ter aula e a gente tem que ficar andando que nem uma pata, para não escorregar. O nariz escorre sem parar e a gente tem que tirar a mão da luva para limpar. Pensar duas vezes antes de sair de casa. Será? E por mais que eu queira ficar em casa, eu sempre saio. Porque afinal de contas a gente está no intercâmbio e não vamos nos deixar abater por um frio. Não. Mas, eu odeio. E estou contando os dias para ficar menos frio. Um frio suportável.

    E não me leve a mal por odiar o frio, defensores do tempo ruim cairão sobre mim, eu sei. Mas já fazem 2 anos que eu não sei o que é verão, calor, usar shorts, blusinha. Suar até ficar fedida. Se abanar com a mão. Assoprar no meio dos peitos. Meu último verão foi em Junho de 2015. E aí eu voltei para o Brasil em maio de 2016, ainda estava frio nos EUA e já estava frio no Brasil. Em outubro eu vim para a Holanda, estava começando a esquentar no Brasil, e aqui estava começando o frio. Ou seja, só vou ter verão em junho desse ano, E EU MAL POSSO ESPERAR.

    Até semana que vem.