• Vídeo Novo

  • Continuando os Guias de Viagem aqui no blog, e no canal do Youtube, hoje eu vou falar tudo sobre a minha viagem de 6 dias e 5 noites em Cusco, no Peru. Se você não viu o Guia de Viagem de Amsterdam, e caso esse destino te interesse, clique aqui para conferir. 

    A Cidade:

    Não sei se você sabe, mas Cusco significa umbigo “do mundo”. É uma cidade no Peru situada no sudeste do Vale Sagrado dos Incas, na região dos Andes, com população de 300.000 habitantes, chegando a receber 2 milhões de pessoas por ano para turistar.

    A cidade está situada a 3400 metros acima do nível do mar, então é normal que você fique com dores de cabeça ao visitá-la. O segredo está em tomar muuito líquido e mastigar folhas de coca durante a sua estadia por lá. Cusco foi o mais importante centro administrativo e cultural do Império Inca. Lendas atribuem a fundação de Cusco ao Inca Manco Capac no século XI ou XII. As paredes de granito do palácio inca ainda estão lá, bem como monumentos como o Korikancha, que eu tive o prazer de visitar e é incrível! O centro histórico é bem grande e possui três grandes praças que interligam todos os museus, templos, igrejas e mercados públicos, um charme só!

    Voo de Avião:

    Os voos para Cusco costumam ter uma escala na capital do Peru, a cidade de Lima. O meu voo de Guarulhos a Lima foi bem tranquilo, com refeição e um avião novo da Latam. De Lima para o Peru foram apenas 50 minutos, avião um pouco menor, mas ainda assim confortável. Pagamos R$1.670,00 nas passagens já somando as taxas.

    Dica: Para ver as Cordilheiras dos Andes e os Vulcões pela janela do avião sente-se no lado direito, no mesmo lado do motorista!

    Moeda: A moeda do Peru é o Novo Sol, que na época em que eu viajei (Junho,2017) estava quase que 1 pra 1. 1 real eram 90 centavos de sol. Troquei a moeda lá na cidade de Cusco mesmo, tem vários câmbios espalhados pelo centro, é bem traquilo. Leve reais e troque lá sem problemas!

    Internet:

    A prefeitura da cidade não libera wifi free pra galera, nas praças, museus, etc, mas todo restaurante tem alguma rede aberta. Ou também, você pode contratar os serviços da EasySim4U, uma empresa que te vende o chip de celular ainda no Brasil e você já chega no seu destino com internet, e usa sem parar! Assim como eu fiz, tirando fotos e falando com a minha mãe pelo facetime lá de cima do Machu Picchu. Outra opção é comprar um chip de celular com internet 4g ilimitada durante 30 dias nas lojas do centro de Cusco, você irá pagar uns 25 soles por esse serviço.

    Hospedagem:

    Nos hospedamos em hostel e eu adorei a minha experiência em cada um deles. Falei detalhes e mostrei várias fotos neste post aqui do blog. Mas o que eu acho que você deve ter em mente é que você precisa ficar hospedado pelo centro da cidade, para poder resolver tudo a pé!

    Transporte: Como eu falei acima, da pra resolver tudo a pé! Claro, tudo o que diz respeito a Cusco e ao Centro Histórico..mas a maioria dos centros arqueológicos, com pedras gigantes, campos de plantações Incas e etc, são afastados da cidade e você precisará de uma empresa de turismo para te levar. Você pode comprar os passeios separados, e fazer um por dia por exemplo, sempre com um grupo, ou empresa diferente, ou então, fazer como eu e a Nina que contratamos os serviços da Peru Grand Travel. Eles nos acompanharam todos os dias, nos buscavam no Hostel e nos levavam de van para os principais pontos turísticos.

    Gastronomia:

    Lembrando que, sou vegana e posso afirmar que fazia tempo que eu não comia tão bem em uma viagem. Em todos os restaurantes tinha pelo menos 5 opções vegetarianas com a possibilidade de tirar queijo, leite ou ovos.. incrível! Eles adoram e cultivam muuuita batata, milho, quinoa.. então é tudo uma delícia. O ceviche de peixe é um dos pratos típicos, além dele tem também o porquinho da índia e a carne de alpaca, coitadas.  Você consegue fazer lanches por 7 soles (sanduíche + suco de frutas natural), mas caso queira sempre fazer uma refeição em um restaurante, os pratos custam em média 25 soles.

    Passeios:

    Além dos passeios pelo centro histórico de Cusco, como alguns Museus, o Templo do Sol e a Igreja mais conhecida da cidade, a maioria dos passeios históricos são longe de tudo e você precisa de um guia ou uma van para chegar até lá. Eu amei visitar vários lugares e eu poderia falar deles por muitas horas, então te indico assistir aos vlogs da minha viagem ao Peru no canal do Youtube, porque lá você irá acompanhar dia após dia os lugares que eu visitei.

    Preços:

    Vamos ao assunto que todo mundo quer saber: “É caro viajar para o Peru?” Não muito. Comparado é claro, com outros países mais turísticos e tal, o Peru é uma opção bem em conta para quem está pensando em viajar. Vou listar abaixo os meus gastos durante 6 dias e 5 noites por lá pra vocês analisarem:

    Hostel: 50 dólares 5 noites
    Voo: R$1.670,00
    Guia + Tranporte + Todos os Passeios inclusos incluindo Machu Picchu: 700 dólares
    Refeição: R$250,00 (almoço e jantar por 6 dias)
    Souvenirs: R$100,000

    Preço dos Passeios separadamente, sem guia ou tour:
    Templo do Sol (Qorikancha): 15 soles
    Basílica Catedral de Cusco: 25 soles
    Boleto Turístico de Cusco (incluindo 14 dos centros arqueológicos e museus conhecidos): 130 soles
    Trem para Machu Picchu: 70 dólares
    Ônibus para subir Machu Picchu: 24 dólares (por trajeto, você precisa pagar mais 24 para descer)
    Ticket para entrar em Machu Picchu: 200 soles

    É isso ai. Esse foi o guia de viagem por Cusco, no Peru. Se você tiver alguma dúvida, me envie um email: contato@cabidecolorido.com

    Um beijo!

    Eu gosto ouvir experiências, assim como eu gosto de contar as minhas também. E a experiência do dia, é sobre a primeira vez que eu fui em uma vinícola. Ano passado, eu fui na viagem Chile com o Cabide Colorido, e um dos passeios que teve em nosso roteiro, foi visitar a Vinícola Undurraga.

    Nós estávamos hospedados em Santiago, mas a vinícola era em outra cidade, uma cidade chamada Talagante que fica há 34 km da capital. Fomos com van, mas também da para chegar com transporte público!

    O nosso tour era contemplado em conhecer toda a Vinícola, como eles faziam o vinho e depois uma degustação. Lá, é extremamente lindo. Como fomos no inverno, não vimos os vinhedos com folhas, e uvas. Lá no Chile ou você vê neve ou você vê uva! hahaha

    O tour dura 1h30 e é totalmente guiado por uma guia local. Ela fala portunhol mas é super fácil de compreender. Ela também sempre perguntava se todos estávamos entendendo. A paisagem é linda, quando fomos estava um dia ensolarado maravilhoso e conhecer um pouco como funciona é bem legal. Uma das coisas que mais achei interessante na explicação da nossa guia, foi que ela disse que eles sabem o tipo da uva dependendo da cor da flor que nasce ao lado!

    Sobre a degustação, foram servidos 4 tipos de vinho. Lá no Chile não existe o nosso vinho ‘doce’, então todos eram bem secos e amargos porém eu gosto, então adorei. Apenas um deles era bem doce, um vinho branco que o gosto lembrava o da Jurupinga. Foi um dia bem divertido, que rendeu fotos maravilhosas. E de brinde, todos ficaram com as taças usadas na degustação, AMEI.

    E aí, alguém já visitou alguma vinícola no Chile ou em outro lugar?

    1 beijo e até a próxima quinta!

    Tive a ideia de trazer o assunto “viagem” mais à tona no canal, e não só fazer vlogs e falar sobre os lugares que eu irei visitar este ano, mas também sobre os lugares que eu já visitei.

    Talvez você não saiba, mas durante o meu intercâmbio como Au Pair, eu conheci cerca de 15 países dos Estados Unidos e ainda viajei para Amsterdam e Paris. Antes de me aventurar no intercâmbio, eu nunca tinha viajado fora do país e posso contar nos dedos (de uma mão só) as vezes que eu peguei um avião e viajei antes disso.

    Por isso que, quero aproveitar ao máximo as pautas sobre os lugares que eu conheci, e trazer pra vocês todo o tipo de informação e curiosidade sobre cada um deles. As vezes um vlog e roteiro aqui no blog não é suficiente, então vamos ao: Guia de Viagem por Amsterdã, na Holanda =)

    A Cidade:

    Amsterdam é a capital da Holanda, um país pequeno da Europa e muito conhecido pelos moinhos, pela cerveja Heineken e pelos campos incríveis de tulipa. Segundo a lenda, Amsterdam foi fundada por pescadores que deixavam seus barcos na beira do rio Amstel, e daí que veio o nome: Amstel-Dam (que siginifica dique em inglês). A cidade conta com pouco mais de 800 mil habitantes e é uma das cidades que mais recebe turistas todos os anos. O idioma falado por lá é o Holandês, mas você pode se virar MUITO bem com o inglês, já que a maioria das crianças tem inglês desde pequenas, e é muito comum ver placas pela cidade, lojas, restaurantes, tudo em inglês.

    Voo de Avião:

    Quando eu visitei a cidade, eu estava no Colorado-EUA e meu host dad me deu a passagem de presente. Ele pagou cerca de 1.000 dólares pela passagem de ida e volta, e é basicamente o preço que encontramos aqui no Brasil (com o dólar hoje a R$3,35). Pelo que eu pesquisei, a média de preço de passagens saindo de Guarulhos, por exemplo, para Amsterdam fica em torno de R$3.000,00 a R$3.500,00. Mas claro que, se você comprar com antedecência, e ficar de olho nas promoções, poderá encontrar passagens a R$2.000,00 e R$2.500,00.

    Uma dica: Quando você chegar no aeroporto, precisará encontrar sua bagagem e deverá percorrer um enorme e reto corredor, até encontrar uma parte do aeroporto com o teto alto, e vários “caixas eletrônicos” de cor amarela. Esses guichês são para você comprar o ticket do trem, que te levará do aeroporto de Amsterdam até a estação central, que fica no coração do centro de Amsterdam e muito provavelmente onde você ficará hospedado. Esse percursso de trem do aeroporto até a estação central é de mais ou menos 30 minutos. O preço do ticket é de EU$4.50, e tem wifi free dentro dele, ótimo para atualizar as redes sociais e avisar a sua família que chegou bem!

    Moeda:

    A moeda na Holanda é o Euro, e eu costumo utilizar o cartão Travel Money para levar dinheiro nas minhas viagens. Você pode fazer ele através do seu banco, ou por uma loja de câmbio. Ah, e vale dizer que ônibus, tram e trem aceitam somente moedas, então vá preparado!

    Internet:

    A Holanda disponibiliza vários pontos de free wifi, principalmente pelo centro de Amsterdam. Eu fiquei pouco tempo por lá, mas consegui tranquilamente usar wifi de cafés, pontos turísticos e parques da cidade. A menos que você passe vários dias na Europa, conhecendo vários países, eu não indico comprar um chip de internet para se virar em Amsterdam.

    Hospedagem:

    Quando eu fui pra Amsterdam, fiquei no Hotel 83 bem na Red Light Disctrict, que fica no centro da cidade e é um lugar bem atípico. Mas claro que, tem várias outras localizações que você pode ficar por lá, e fazer tudo praticamente a pé, ou de bike. Outras localizações legais para ficar em Amsterdam além dessa são:

    Como vocês podem ver no mapa acima, muuuitos dos pontos turísticos ficam super perto dessas localizações! Eu paguei 80 euros na diária, e poderia ter pagado beeem mais barato se eu tivesse pesquisado melhor, ou de repente ter ficado em outra localização que não fosse a Red Light. Mas como eu só tinha 24 horas na cidade, não queria perder tempo de deslocamento e optei por ficar bem no meio do centro!

    Transporte:

    BIKE BIKE BIKE!!! Amsterdam it’s all about bicycle :)
    Diferente do Brasil, e muitos outros países, na Holanda o ciclista é prioridade. Tem ciclovia em praticamente todos os lugares, e se não tem, a calçada é delas: das bikes! Eu não sei nem contar nos dedos as vezes que eu me distrai tirando fotos e quase fui atropelada por um ciclista hahahah Então sim, fica ligado porque lá todo mundo usa bicicleta, o tempo todo, e você também pode alugar a sua durante sua trip por lá. Indico a loja Black Bike Rental, que está em vários pontos de Amsterdam, e você pode alugar uma bicicleta por uns 8 euros a diária. Retirar ela em um ponto e devolver em outro, tudo conforme o seu roteiro.

    Mas se você não simpatiza com bicicleta, eu indico conhecer o centro a pé! É tudo pertinho, e você vai levar no máximo 20 minutos de caminhada de um ponto a outro. E se o cansaço bater ao final do dia e você queira voltar ao seu Hotel de uma forma mais rápida, vá de tram! Um ônibus elétrico ligado à um trilho que passa por toda a cidade. Custa mais ou menos EU$3,50 e você precisa pagar usando moedas, viu?

    Gastronomia:

    O que seria da Holanda sem o Stroopwaffle? ou entao, as batatas fritas no cone? Torta de maçã? Nossa! Só de lembrar me da água na boca. Você precisa experimentar essas comidinhas de rua, muito tradicionais da Holanda. Além disso, há vários pratos típicos (maioria deles com carne, o que fica difícil para nós vegetarianos), e crepes, também bastante conhecidos na França. De forma geral, a Holanda tem vários pratos parecidos com os nossos, eles comem bastante carne e pão! Sanduíches all the time.

    Torta de Maçã do café Winkel 43, a melhor torta de maçã de Amsterdam! Essa fatia + café foi 5 euros. Indico!

    Passeios:

    Amsterdam é repleta de atrações turísticas para todos os gostos e estilos! Desde museus repletos de obras de arte, galerias, parques, coffee shops, à baladas e muitos eventos noturnos. Uma coisa que muita gente não fala, mas eu acho que vale super a pena de ser feito, é se perder pelas ruazinhas da cidade. Tira uma tarde do seu roteiro para sair andando, conhecendo Amsterdam de pertinho, observando a população local, descobrindo novas esquinas e pequenas lojinhas que você nunca descobriria que existe, a menos que fizesse esse tipo de passeio.

    Além disso, recomendo fortemente você visitar alguns museus como o museu da Anne Frank, Van Gogh, Rijksmuseum e Museu da Maconha. O parque Voldenpark é incrível, enorme e perfeito para dar um rolê de bike! Além disso, tem a Dam Square, uma praça no centro da cidade com vários prédios históricos ao redor, incluindo o museu de cera de Amsterdam. Cenário perfeito para suas fotos.

    Pra quem curte cerveja, indico visitar o Heineken Experience. Um tour pela cervejaria da Heineken, mostrando todas as etapas da fabricação da cerveja, e um museu com fotos, rótulos, objetos e tudo que diz respeito à marca! Ao fim do tour você é levado ao rooftop do lugar e pode curtir um happy hour, ver o sol se pôr e tomar uma cervejinha. E claro, não esqueça de dar uma passadinha na Red Light District, uma rua bastante diferente de Amsterdam, com muitos coffee shops, casas de show e prostituição.

    Preços:

    E quanto aos preços? Amsterdam é uma cidade cara? Nem tanto assim. Não encontrei ela na lista de 20 cidades mais caras da Europa, então lugares como Londres, Dublin e Paris serão certamente mais caras. Abaixo vou listar o que eu gastei em 24 horas na cidade:

    Hotel 83: EU$ 80 euros
    Trem Aeroporto pro centro: EU$5 euros
    Tram pela cidade: EU$3 euros
    Souvenirs: EU$ 40 euros
    Comida: EU$20 euros

    Gostou? Espero que sim! Abaixo fiz um vídeo “guia de viagem” contando várias outras informações. Espero que gostem!

    Até a próxima!