• Vídeo Novo

  • Ah, como eu amo torta de maçã! Não tem nada mais gostoso do que uma xícara de chá ou café com uma tortinha de maçã que acabou de sair do forno, não acha?

    E hoje, pra continuar a série “Especial Europa” com receitas de vários países, eu trouxe a torta de maçã holandesa e vegana! Anota aí e depois me conta se gostou (é claro que você vai gostar <3):

    INGREDIENTES:

    Massa:
    Farinha de arroz – 1 xícara (125 g)
    Farinha de aveia – 1/2 xícara (65 g)
    Água – 1/3 xícara (80 ml)
    2 colheres de sopa de azeite de oliva (30 ml)
    1 colher de sopa de Melado de cana ou 2 colheres de sopa de açúcar.

    Recheio:
    3 Maçã (400 g)
    Canela – 1 colher de chá
    Limão – algumas gotas

    Modo de Preparo

    Coloque todos os ingredientes da massa em um recipiente e misture com as mãos até obter uma bola de massa homogênea e que não grude. Abra a massa em formato de círculo com um rolo de macarrão ou algo cilíndrico como uma garrafa. O círculo não precisa ficar perfeito, ele deve ter em torno de meio centímetro de espessura. Coloque a massa em uma forma de fundo removível e deixe um espaço nas bordas.

    Descasque as maçãs e corte ao meio. Retire o caroço e corte em fatias finas. Coloque em um recipiente e pingue algumas gotas de sumo do limão. Misture bem. Disponha as fatias de maçã em círculos sobre a massa, deixando cerca de 3 cm de borda. Preaqueça o forno a 180 ºC. Polvilhe um pouco de canela com açucar em cima das maçãs  e dobre levemente a borda da massa sobre as maçãs. Leve ao forno pré aquecido por cerca de 45 minutos, ou até a borda ficar dourada e crocante. Retire do forno e sirva com um chá de hortelã ou um café passado.

    Eai, curtiu a receita? EU ADORO!

     

    Lá vem ela, a louca do brechó. Eu! Hoje venho contar para vocês como são os brechós aqui na Holanda.

    Brechó aqui se chama Kringloop ou Rataplan. As vezes se jogar no google “Thrift Store” ou “Second Hand Store”, também acha.

    Quando eu cheguei eu lembro que eu estava muito empolgada, achando que os brechós seriam iguais os dos Estados Unidos, mas não são, infelizmente. Também posso dizer que fiquei bem decepcionada porque os daqui são muito inferiores. Alguns são bem grandes e alguns são bem pequenos. Alguns são bem caros e alguns são bem baratos. Mas em todos eles, se fuçar bem, tem como fazer uns achados. Em Amsterdam todos os brechós são caros. É bonito de se ver, todas as peças são maravilhosas, eu quase choro quando eu entro lá, porém é tudo bem caro.

    EPISODE

    A Episode é um exemplo desses brechós maravilhosos que são caros. Os tênis e botas são entre 25 – 40 euros, e em um brechó normal seria menos de 10 euros, com certeza.

    RATAPLAN

    O brechó Rataplan, na cidade de Delft, é enorme e com preço baixo. Blusinha por 2 euros, casaquinho por 5.

    Então basicamente ou você vai direto onde sabe que vai ter coisas lindas, e paga mais caro, ou faz que nem eu e fica tentando a sorte todas as vezes que vai nos brechós mais baratos. É difícil, mas não impossível! Eu já achei e comprei várias coisas e tenho dois vídeos no meu canal mostrando as minhas compras:

    Tem um brechó ao ar livre que acontece em um final de semana por mês em Amsterdam, que se chama IJ-HALLEN (e você pode ver o calendário dele aqui). Esse vale a pena ir porque sempre acha alguma coisa muito boa, e com preço amigo. Coisas como mochila da vans por 1 euro ou casacos de neve por 10.

     

    E é isso, para quem é garimpeiro, esses são os melhores lugares!

    Um beijo e tchau!

     

     

    Sabe quando a gente escuta alguma música e de repente você é teletransportado para o lugar onde você costumava ouvir, e as vezes consegue até sentir cheiros? Eu tenho muito disso. Músicas me fazem reviver o momento exato.
    Aqui na Holanda eu descobri muitas músicas e com certeza quando eu ouvi-las daqui há alguns anos, todas as memórias vão voltar à tona e será muito bom. Para que eu nunca me esqueça delas, e para que vocês possam imaginar a minha vibe, listei algumas abaixo.

    As principais músicas do meu ano foram:

     Originality feat. Sister Nancy – Thievery Corporation

    Essa música me traz muitas good vibes. Ouvi ela no Kings Day, um feriado famoso aqui na Holanda e que eu já falei mais sobre ele neste post aqui. Nesse dia eu fui com algumas amigas em um Pub de Reggae, e tocaram muitas músicas legais. Na hora que tocou essa eu usei o aplicativo Shazam para achar o nome e o cantor e ta aí na minha playlist até hoje.
    Bullet and a Target – Rhymefest

    Essa música é uma regravação em forma de hip hop da música “Bullet and a Target – Citizen Cope” e essa música na versão original é muito legal também, eu ouvia quando era menor e tinha esquecido completamente. Um dia eu estava passando aspirador na casa dos meus hosts com os fones de ouvidos em uma playlist de Hip Hop e começou a tocar, e foi bom porque além da nostalgia que eu senti por já ter ouvido essa música antigamente, agora ela virou trilha sonora da minha vida aqui. Eu já escutei ela pulando na cama elástica também e meus vizinhos me odeiam por isso.
    Deadcrush – Alt-J

    Pode entrar, melhor música do Alt-J! O novo álbum deles chamado “Relaxer” foi liberado quando eu já estava aqui, e todas as músicas sempre vão me lembrar dessa experiência na Holanda, mas Deadcrush é a preferida e eu já cansei de dançar ela só de calcinha pelo meu quarto. Tentem!
    A Praga – Haikaiss
     
    Essa foi a música que me introduziu para o mundo do Rap, onde hoje eu vivo. Estava assistindo um video de um youtuber que eu gosto muito e no final dos vídeos dele ele sempre coloca alguma música muito boa, e essa é uma delas. Fiquei uma semana ouvindo ela sem parar.
    Bad Karma – Alex Thesleff

    No mesmo dia em que descobri a música “A Praga” também descobri Bad Karma. Era julho, eu estava de férias e tinham 3 amigas na minha casa e nós ouvimos 827 mil vezes e todo mundo viciou.
    Caroline – Aminé

    Por último: “oh my god, she is my baby, Caroline“! Amanda me mostrou essa música e foi impossível parar de ouvir, tem um ritmo muito gostoso, escuto sempre!
    Eu me perdi na minha playlist tentando achar as mais marcantes. Tem tantas. Assim como tem várias músicas que me lembram o intercâmbio nos Estados Unidos também e até mesmo minha época de Brasil. A música é a melhor máquina do tempo que eu conheço!
    Um beijo e tchau! ❤️

    Faltam 24 dias para eu voltar para o Brasil.

    E assim como todas as pessoas que fazem intercâmbio, quando chega essa hora, a gente fica com medo. A gente fica confuso. Não sabemos muito bem o que esperar dessa nova fase. Eu vejo a vida como se ela fosse um livro. Nós nascemos com ele em branco, e vamos preenchendo e escrevendo da maneira como quisermos. Esse livro é separado por capítulos, e a cada nova fase, ou grande mudança, é um capítulo que termina e outro que se inicia. E virar essa página é assustador. Não se sabe o que está por vir. Apenas a folha em branco te encarando de volta.

    Vai dar tudo certo? Vou ser feliz? O que eu vou fazer? Quando eu vou viajar de novo?” Eu me pergunto, mas eu não penso muito em uma resposta porque eu já voltei de um intercâmbio uma vez e por isso eu sei, não adianta pensar muito, o melhor é deixar rolar. Seja lá o que acontecer, vai ser como deveria ser. A gente escreve o nosso livro da melhor maneira possível, mas somos ansiosos e achamos que tem como espiar o final.  A melhor coisa que podemos fazer é aproveitar o presente.

    Esse capítulo está quase no fim, mas não está no final ainda. Vou escrever as últimas linhas com a melhor letra que eu conseguir fazer, e vou colar algumas figurinhas para enfeitar. Eu estou com medo, sim. Mas eu sei que vai ficar tudo bem. Intercâmbio começa e intercâmbio termina. Levo comigo todas as coisas boas, todas as viagens, momentos, risadas, fotos, pores de sol… Levo as coisas ruins também, né? Afinal de contas elas sempre me ensinaram alguma coisa. Levo as noites em que voltei de bicicleta para casa na chuva, com o vento contra mim e carregando uma amiga no banquinho de trás. Trens perdidos ou trens errados. E o mais importante, a experiência única e maravilhosa de morar em um país da Europa. Mais um sonho realizado com sucesso. Que venha o próximo.

    Esse foi um textinho que fiz para as pessoas que assim como eu estão voltando para a casa depois de morar fora. ❤️

    Um beijo e tchau!

    É, não é só de Amsterdam que a Holanda é feita! Hoje venho mostrar as minhas cidades preferidas aqui, fora Amsterdam. Porque não adianta, Amsterdam sempre vai ser a minha preferida, mas, existem outras cidades incríveis e super legais para turistar também.

    LEIDEN

    Leiden é a “cidade grande” mais perto da minha. Não é a cidade onde a minha casa fica, mas quando eu chego em Leiden eu já me sinto em casa. É uma cidade universitária, então sempre está rolando alguma coisa. Vários bares e coisas legais para fazer. Além de ser muito charmosa.

    UTRECH

    Sempre que eu digo para os meus hosts que eu vou sair eles já perguntam “Vai pra Utretch, né?” Eles falam isso porque nos meus primeiros meses de intercâmbio eu fui várias vezes para lá. E aí ficou na cabeça deles como sendo a minha cidade preferida. Eu amo essa cidade, acho a vibe dela diferente das outras e lá também tem um Castelo lindo!

    DEN HAAG

    Den Haag é uma cidade que eu, mesmo sem querer, acabo indo muito. Ah, não tem nada para fazer, vamos para Den Haag? É uma cidade grande com uma rua de compras enorme, uma Primark gigante e que tem uma praia maior ainda. Tem um píer e uma roda gigante, zip line e bungy jump. Inclusive eu estava lá ontem.

    Essas são as minhas cidades preferidas, mas fora essas ainda temos Rotterdam, que eu não tive a oportunidade de ir muitas vezes, mas que eu adorei. Também sei que a nightlife lá bomba muito, vários pubs alternativos e restaurantes legais. E Haarlem, que eu peguei carinho porque várias amigas moram lá e por isso acabei indo várias vezes. É uma cidade muito fofa também, eu amo o centrinho de lá!

    A Holanda é um país maravilhoso, e mesmo que as cidades sejam de certa forma muito parecidas, a mesma arquitetura e os canais atravessando todas elas, cada uma tem uma vibe diferente, umas são mais movimentadas e com vários jovens e estudantes, outras mais tradicionais, com famílias fazendo piqueniques e vovózinhas andando por aí. Mas no fim, todas são lindas e me apaixonei de um jeito diferente por cada uma delas. Se você vier para a Holanda, não fique só em Amsterdam! Pegue o trem até essas cidades, são perto e são muito legais.

    Um beijo e Tchau!