Vai Voar

Vai voar. Cê tem asa, cara. Vai lá sentir o beijo do mundo. Depois vem me contar; contar em detalhes como é o chão e o tambor da África, a chuva que cai na muralha e molha os olhos puxados. Vai ver beija-flor – se existir – na Alemanha.

Vai voar. Cê tem a chance, cara. Vai lá sentir o abraço da terra que nunca te viu antes. Pra quando chegar, contar tudo; contar se é em inglês o latido do cachorro irlandês, se dói muito cair de bike no Japão. Quando puder, mande uma carta. E-mail não vale. Quero saber como são as cartas da Rússia e se sua letra muda quando está com frio.

Daqui eu continuo refletindo no trânsito, no metrô ou no busão. Pensando que o que vejo é apenas uma parte do todo. Que o todo tem mais mundo que esse caos cheio de rotina. O todo tem trips para lugares de céu mais azul com gente que conhece muito daquilo que não conheço nada. Você tá conhecendo mais partes do todo. Admiração é a palavra.

E, voando por aí, lembra de mim. Aquele parça cheio de sonhos na arte, de desejos com liberdade. Eu, seu amigo não viajado, quero que conte como é o mundo que tem aí fora. Isso me ajuda a construir o mundo que tem aqui dentro. Dentro de mim.

Porque um dia eu vou viajar, mas enquanto eu não for, vai por mim. Cê tem asa, cara.

Texto de Fábio Chap.

Comments

comments